quarta-feira, 6 de junho de 2007

Simbologia da LUA...

É em correlação com o simbolismo do Sol que se manisfesta o simbolismo da Lua. A Lua, privada de luz, é apenas um reflexo do Sol.
A Lua atravessa diferentes formas e, por isso, simboliza a dependência e o princípio feminino, bem como a periodicidade e a renovação.
A lua simboliza também o tempo que passa, o tempo vivo, de que ela é medida, pelas suas fases sucessivas e regulares.
O mesmo simbolismo liga a Lua, as Águas, a Chuva, a fecundidade das mulheres e dos animais, a vegetação ou o destino do Homem depois da sua morte.
A Lua, astro da noite, evoca metaforicamente a beleza e, também, a Luz na imensidão tenebrosa. Mas, não sendo esta luz mais do que um mero reflexo do sol, a Lua é apenas o simbolo do conhecimento por reflexo.
No hinduismo, a esfera da lua é o resultado da vida dos antepassados. Nela, eles não são libertados da condição individual, mas produzem a renovação cíclica. As formas acabadas dissolvem-se na Lua, as não desenvolvidas emanam dela. O que não deixa de estar relacionado com o papel transformador de Xiva, cujo emblema é um crescente lunar. A Lua é, aliás, o regente dos ciclos hebdmadário e mensal. Este movimento cíclico pode ser relacionado com o simbolismo lunar de Jano: a Lua é, ao mesmo tempo, porta do céu e porta do inferno, Diana e Hécate, sendo o céu apenas o cume do edifício cósmico. A saída do cosmos efectuar-se-á apenas pela porta solar. Diana seria o aspecto favorável, Hécate o aspecto temível da Lua.
Dez séculos antes de Victor Hugo, Ibn al-Mottaz deixava-nos a seguinte imagem da Lua:
Olha a beleza do crescente que
acabando de aparecer
rasga as trevas com os seus raios de luz.
Como uma foice de prata que
entre as flores brilhando na escuridão
colhe narcisos.
A primeira coisa que acode ao espírito
quando queremos descrever uma coisa excessivamente bela
e mostrar a sua extrema perfeição, é dizer:
UMA FACE SEMELHANTE À LUA...
in: Jean Chevalier e Alain Gheerbrant.

8 Comentários:

Blogger Ludovicus Rex disse...

Lindo e belo post amiga. A lua, a minha Deusa da magia... me é muito querida, devido ao meu signo...
Amei...

Kiss

6 de junho de 2007 às 12:49  
Blogger MariaFaia disse...

Também me é muito querida meu Amigo Ludovicus.

Muitas vezes falo com ela, em silêncio, sob o seu manto protector.
Dá-me força e ânimo para o dia seguinte e a sua Luz ilumina o meu caminho...

Beijo amigo

6 de junho de 2007 às 12:58  
Blogger J.G. disse...

Muito interessante esta visão do hinduísmo e muito bonita a imagem escolhida.

Saudações
Jorge G

6 de junho de 2007 às 19:30  
Blogger Bichodeconta disse...

Olá, vim em busca de novidades e claro não fiquei defraudada.. Parabéns por sempre nos deixar coisas tão interessantes.. Um abraço..

6 de junho de 2007 às 21:49  
Blogger MariaFaia disse...

Olá J.G.

Antes de mais, deixe-me dizer-lhe que o seu blog é muito interessanre e bem construído. E, a música que lá tem hoje é terna e doce ao ouvido...
Quanto à Lua, ela é uma das minhas paixões, por isso leio e escrevo muito sobre ela e suas significações. Cada um de nós tem as suas preferências...

Obrigado pela sua visita.

6 de junho de 2007 às 22:19  
Blogger MariaFaia disse...

Olá amiga Bichodeconta,

Também eu vou muita vez procurar coisas novas e bonitas ao seu cantinho. É um dos meus lugares preferidos...

Obrigado por ter partilhado comigo.

6 de junho de 2007 às 22:20  
Blogger Emanuel Alves disse...

Prometi escrever algo. A simbologia da lua diz-me tanto que encontrei o momento para dizer algo no silencio das palavras escritas. Coincidência das coincidências estava mesmo a publicar no meu blog alguns poemas e este que faz parte de uma quadratura poética decidi partilhá-lo contigo.

A Lua

Naquela folha de trevo
A estrela na gota brilhava
Unidas pelo amor
Fogo de luz na água se imiscuía

A lamina de névoa passava
e já não a lembrava
Que da solidão tinha provindo
Na união a vislumbrava

Ò luz enérgica,
que dos corpos irradiava.
Da gota de luz... a noite se fez dia
a lua tinha sido formada

Filha do fogo, filha da água
No zénite tiveste lugar
És senhora das emoções
A estrela na gota brilhava

A felicidade é difícil
A vida é uma estranha senda
Alegres naquela folha de trevo
A estrela e a lua... a gota brilhava

12 de junho de 2007 às 11:55  
Blogger MariaFaia disse...

Obrigado querido Emanuel,

Agradeço a tua visita e, sobretudo, a beleza que partilhaste comigo.
Tu és uma caixinha de surpresas... pintura e agora poesia.
Adorei.
Podes continuar a partilhar e eu continuarei a adorar.

12 de junho de 2007 às 20:25  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial