quarta-feira, 22 de agosto de 2007

PORQUE A RESPONSABILIDADE É DE TODOS...

Frequentemente ouvimos ecos de desaparecimento de idosos.
Salvo melhor opinião, os nossos idosos, ou "pessoas mais vividas", constituem uma fonte de sabedoria e amor que todos nós devemos acarinhar e, nunca abandonar.
Na verdade, penso que o estado evolutivo de uma qualquer sociedade, também se mede pela forma como trata e acarinha aqueles que já lhe deram grande parte das suas forças, energias, conhecimento e amor.
Propolar o Humanismo e nada fazer para dignificar as condições de vida de todos os cidadãos do mundo, parece-me pura demagogia.
Por esta razão, ao ler o artigo que se segue, entendi por bem divulgá-lo neste blog. Até porque, considero que nunca são demais os alertas e a colaboração.
"A perda de memória, a falta de orientação e a solidão levam muitos idosos a partir sem deixar rasto.
Incapazes de encontrar o caminho de regresso, 180 pessoas com mais de 65 anos foram dadas como desaparecidas só no ano passado.
Em entrevista à Lusa, o director do Departamento Central de Informação Criminal e Polícia Técnica (DCICPT) afirmou que os casos de desaparecimento de idosos correspondem a cerca de dez por cento do total registado em Portugal, sendo previsível que venham a aumentar nos próximos anos, em resultado da própria evolução demográfica.
"O que provoca o desaparecimento é, muitas vezes, a mudança do local onde sempre viveram para ir para um lar ou para casa de um familiar, onde se sentem totalmente desenraizados. Como ficam afastados do seu ambiente normal, entram em pânico e criam uma situação patológica de angústia que faz com que comecem a caminhar sem destino", explicou António Ramos Caniço.
Na origem do desaparecimento de idosos a taxa de crime é muito reduzida, tratando-se "na esmagadora maioria das vezes" de casos de desorientação provocados por doenças como Alzheimer ou outras formas de demência que afectam a memória.(...).
A PJ, que conta com uma unidade de prevenção para desaparecidos que "funciona 365 dias por ano", inicia o chamado tracking da pessoa, uma diligência que passa por determinar a rotina habitual do desaparecido, em termos das deslocações normais, para "estabelecer um perímetro onde possa estar. Se não os encontramos nos primeiros dias, as coisas complicam-se muito e não augura nada de bom. Quando passa algum tempo, tenho sempre receio de vir a encontrar o corpo já sem vida, sobretudo no caso de desaparecimento de idosos", confidenciou.
Para evitar desfechos trágicos, o director do DCICPT deixa um pedido a toda a população: "Quando virem na rua um idoso com sinais de desorientação, chamem imediatamente a polícia ou os bombeiros."
Aos familiares, Ramos Caniço deixa igualmente uma recomendação, aconselhando atenção redobrada nas fases de transição, por exemplo quando o idoso é transferido para um lar. "Muitos idosos vêm para a rua sem o bilhete de identidade, sem qualquer papel com o número de telefone e a morada. As famílias devem fazer com que a pessoa tenha sempre consigo a sua identificação. É uma medida de precaução básica que pode fazer com que a pessoa seja mais fácil e rapidamente encontrada", avisou.
in: Diário de Notícias - 20/08/2007

8 Comentários:

Blogger avelaneiraflorida disse...

Maria Faia,
este é UM PROBLEMA NOSSO!!!!
Trabalhei este ano com alunas do Curso Tecnológico de Acção Social, e ia tendo uma verdadeira apoplexia quando uma jovem, do alto das suas risadas dizia alto e bom som : o lugar dos velhos é no "VELHÂO"!!!!!!
Acho que em todos estes(muitos!!!!) anos de ensino, nunca me "saltou a tampa" como naquele momento!!!!
Todos ficaram calados e eu disse tudo o que me ia na alma a este propósito. Inclusivé, convidei os que não se sentissem em condiçoes de continuar a trabalhar comigo que mudassem de turma.
"Passei-me", como eles dizem!!!! Durante o resto do ano trabalhámos sobre esta e outras temáticas e, no final, sentimos todos que a NOSSA RESPONSABILIDADE tinha começado a existir! Algumas , durante as férias estão a fazer pequenos trabalhos em creches e lares.Têm-me mandado mails a contar a experiência!
Eu só lhes peço RIGOR, QUALIDADE, HUMANIDADE...
Temos de zelar pelos seres humanos que estão em redor de nós...sejam parentes ou não!!!!
Bjks

22 de agosto de 2007 às 16:33  
Blogger o guardião disse...

O respeito pelos idosos é em algumas culturas, uma realidade e uma honra. As sociedades ocidentais e sobretudo as que adoptaram um capitalismo selvagem, e a competição sem regras pela obtenção do sucesso económico e profissional, fizeram com que o respeito pelos mais velhos fosse substituido pelo egoísmo puro.
Parar para pensar, aprender com a experiência e saber agradecer o que por nós fizeram, pode ser uma actividade que além de dar alguma utilidade a tempos livres, pode dar imenso prazer e ser mesmo compensadora pela partilha de saberes que não estão nos compêndios nem se aprendem na escola.
Cumps

22 de agosto de 2007 às 21:23  
Blogger Maria disse...

O abandono é terrível. Mais uma falha da nossa cultura ocidental... idosos são para respeitar, cuidar, acarinhar. Mais ainda, são - deviam ser - os nossos professores naturais de história, de vida, de afectos. São a nossa memória colectiva, são os nossos sábios.

Vive-se para terminar como? Há prazos para a humanidade ser útil? Bom grito este, é necessário e urgente dignificar a cultura própria e dar condições dignas e homenagens merecidas a quem preparou o mundo para a nossa geração. E para quem ainda, felizmente, faz parte do nosso mundo, ao nosso lado, e nos pode, mais do que normalmente se crê, ensinar a lutar.

Um abraço, Maria Faia.

22 de agosto de 2007 às 22:45  
Blogger ANTONIO DELGADO disse...

Antes de mais dou-te os parabéns pelo tema desta belissima postagem que fizes-te.O tema preocupa-me e tu sabes porque. De facto a sociedade, as ditas ocidentais não sabem como devem lidar com os velhos. Numa cultura que gira à volta da produção e do consumismo e do corpo belo, onde o ser é visto unicamente em termos de produção e estética a sociedade não tem lugar para ele. Depois o estado e sobretudo o portugues não esta preparado para cuidar com este tipo de problemas que até hà bem pouco era de foro familiar. Eram as familas que cuidavam dos seus idodos. Agora como o trabalho, tanto masculino como feminino, é feito fora de casa. não há tempo para tratar de idosos. muitos arranjar lares por vezes contra o seu proprio gosto. tanto dos familiares como do idoso (a). Por outra parte a alteração do conceito de famila para novas formulas vieram acentuar igualmente o problema dos idosos. devemos no entanto de ter o maximo de atenço e carinho e proporcionar meios para que os idosos de sintam gente e não estatuas de pedra como vejo alguns sentados pelos jardins de Lisboa, na mais profunda solidão, com olhares imoveis e expressões congeladas. Se queremos ter mais atenção aos idosos, temos de alterar os nossos valores e comportamentos não é com politicas de lares que se fazem sociedade felizes e integradoras. Mas sim com actitudes humanas capazes de não esquecer as nossa raizes e com amor para com os da nosso própria especie seja em que grau e condição se encontrar.
Bjs
antónio

22 de agosto de 2007 às 22:52  
Blogger Lusófona disse...

Olá Maria!!

Ontem vi uma situação diria um tanto insensível... Eu estava num autocarro e este parou para apanhar mais passageiros, subiu uma adolescente depois a mãe e por último a avó... enquanto as duas primeiras foram se sentar, a idosa ficou a pagar a passagem e o autocarro já a andar.... foi ela meio desequilibrada com o balanço a sentar-se com dificuldades e as duas a olhar.... acho isso tão estranho, não fui criada assim....
Tenho um respeito muito grande pelos idosos.

Beijinhos e fica bem

23 de agosto de 2007 às 12:02  
Anonymous aramis disse...

Amiga Maria Faia,

É na realidade um grande problema!
Fez bem em "postar" este alerta, pois devemos divulgá-lo...
Os jovens de hoje serão os idosos de amanhã, e poucas pessoas estão atentas e ver que em cada um deles existe um pouco de nós tambem.

Se pararmos um tempo que seja a conversar com uma pessoa de mais idade, só temos para aprender, pois a sabedoria da vida está em cada um deles!

Beijos

23 de agosto de 2007 às 15:40  
Blogger De Amor e de Terra disse...

Olá Maria Faia, bom dia; um problema para o qual todos devemos estar atentos, não só com os nossos idosos mas também com os outros; podemos ser de grande valia se tivermos conhecimento das atitudes a tomar.
Obrigada pela partilha; acho de grande importância.
Beijo
Maria Mamede

24 de agosto de 2007 às 07:23  
Blogger MARA CARVALHO disse...

Olá Maria,

Infelizmente existem muitas pessoas que não dão a importância merecida aos mais idosos e isso choca-me profundamente.
Se as nossas crianças são os homens de amanhã e por isso lhes devemos deixar uma herança de valores sólidos e puros, os nossos idosos merecem o nosso maior respeito e uma grande homenagem porque eles são o nosso passado, e a eles devemos muito do que temos.
Nós somos a ponte entre eles e as crianças e jovens que deverão ser ensinados a amá-los e a respeitá-los.
Um abraço

24 de agosto de 2007 às 13:24  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial